English EN Português PT Español ES

Assim será a vida quando dominarmos a energia de todo o universo

Para medir o nível de avanço de uma civilização, a escala de Kardashev foca na quantidade de energia que essa civilização consegue controlar. Obviamente, essa quantidade de energia está ligada com a capacidade dessa civilização de difundir e locomover. Você não pode controlar o poder de uma estrela se você está preso em seu planeta natal, por exemplo. E você certamente não consegue controlar o poder de uma galáxia sem sair do seu sistema solar. Em suma, segundo a escala de Kardashev, uma sociedade avançada precisa ter a capacidade de realizar viagens interestelares.

O assunto dessa matéria são as civilizações chamadas de “Tipo V”. – culturas capazes de controlar a energia do cosmos.

Kardashev acreditava que um civilização de Tipo IV era tão avançada que nenhuma espécie jamais seria capaz de alcançá-la. Por isso, ele não foi além do Tipo III em sua escala.

No entanto, o engenheiro aeroespacial Robert Zubrin analisou o que poderia existir além da escala inicial de Kardashev. Zubrin propôs métricas diferentes do uso de energia que poderiam ajudar as espécies a superarem o que uma civilização de Tipo III seria capaz de fazer. Uma classificação que ele sugeriu é a “maestria” de um planeta, sistema, galáxia, grupo galáctico, etc. Da mesma forma, Carl Sagan sugeriu acrescentar outra dimensão além do uso de energia: a informação disponível para a civilização. E em seu livro, Mundos Paralelos, Michio Kaku discutiu uma civilização Tipo IV, que poderia aproveitar fontes de energia “extragalácticas”, como energia escura.

Leis desconhecidas da física

Civilizações de Tipo IV são capazes de controlar a energia presente em todo o universo. Isso significa que essas sociedades poderiam ser capazes de alterar a estrutura do espaço-tempo ou desacelerar a entropia. Podendo alterar o espaço-tempo, essas criaturas poderiam atravessar a expansão do espaço para chegar até o outro lado do cosmos de forma mais veloz que a própria luz – algo que para nós é apenas um sonho.

Algumas criaturas talvez fossem capazes, também, de se espalhar por todo o universo. Eles poderiam colonizar numerosas estrelas e galáxias. Tal sociedade seria capaz de usar planetas como blocos de construção, os movendo de acordo com os sistemas que eles almejam para viver.

Isso parece impossível para civilizações como a nossa, já que tudo isso demandaria o controle de energias que nós ainda nem conhecemos, e que seriam manipuladas com através de leis da física que também não entendemos.

Infelizmente, devido às limitações fundamentais da nossa realidade física, tais realizações podem estar para sempre fora do nosso alcance. Esse nível de progresso talvez seja alcançado apenas por seres incorpóreos.

Mas quem sabe, um dia, poderemos descobrir como usar as tecnologias cibernéticas para nos evoluir em tais seres, ou talvez as novas físicas venham à tona, nos permitindo comandar o poder de um bilhão de sóis.

Ou talvez as imutáveis leis da física nos proíbam para sempre disso.

Originalmente por Sarah Marquart | Futurism

Fundador e dono de todos os projetos da Climatologia Geográfica e Novo Cientista e redator/social media nos dois sites. Adoro viajar pelo mundo e desfrutar da natureza. Adicionem o perfil pessoal: https://www.facebook.com/IsaiasMarquesJunior

Comentários