Artigos científicos, notícias e muito mais.

5 fatos interessantes sobre a cafeína

As pessoas podem não pensar na cafeína como a droga de alteração do humor mais popular do mundo, principalmente aqueles que a usam diariamente, seja por beber café, chá, refrigerantes ou bebidas energéticas. No entanto, muitos de nós dependemos de doses regulares de 1,3,7-trimetilxantina – o nome químico para um pó branco amargo conhecido como cafeína – para ajudar nos acordar e manter-nos alerta. Independente da forma de uso, a substância se tornou um evento regular na vida cotidiana.

Em quantidades moderadas, já foi provado que este composto tem efeitos positivos sobre os corpos e mentes das pessoas. Também existem evidências de que a cafeína pode ajudar a melhorar a memória e aumentar a concentração. A Food and Drug Administration (FDA) considera que 400 miligramas diárias é uma quantidade segura da substância para adultos saudáveis. Por outro lado, grávidas devem limitar sua ingestão a 200 miligramas por dia. Uma xícara de café possui de 100 a 200 mg. Já uma xícara de chá geralmente não tem mais do que 70 mg e a maioria dos refrigerantes têm menos de 50 mg. Também se sugere que adolescentes limitem a ingestão para 100 mg por dia e que as crianças mais jovens a evitem.

Algumas pessoas são altamente sensíveis aos efeitos da cafeína. Elas podem ter dores de cabeça, de estômago, problemas para dormir e até ter palpitações cardíacas, quando a dose de ingestão é alta (cerca de quatro xícaras de café por dia). Selecionamos 5 fatos interessantes sobre a cafeína.

Além de causar dependência, a cafeína em excesso pode aumentar a pressão arterial e ritmo dos batimentos cardíacos.
Além de causar dependência, a cafeína em excesso pode aumentar a pressão arterial e ritmo dos batimentos cardíacos.

1. A cafeína permanece no organismo por horas.

A cafeína é absorvida no sangue e tecidos dentro de cerca de 45 minutos depois de ser consumida. Porém, é preciso muito mais tempo do que isso para que o corpo a quebre e elimine totalmente. A meia-vida da cafeína (tempo que o corpo leva para eliminar a metade da cafeína que a pessoa tem no corpo) é de aproximadamente 4 horas, diz James Lane, professor emérito de psiquiatria na Duke University School of Medicine. Mas isso não significa que toda a substância terá desaparecido depois de 8 horas. Na verdade, pode demorar 12 horas para que se elimine completamente a cafeína de uma xícara de café da manhã, disse Lane, que tem estudado os efeitos na saúde da droga.

A meia-vida do composto pode ser reduzida para cerca de 3 horas em pessoas que fumam, disse Lane. Por outro lado, mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais podem manter a cafeína em seus sistemas por até 4 horas a mais do que mulheres que não tomam a pílula. A gravidez pode estender ainda mais a meia-vida da cafeína, que pode chegar a 10,5 horas durante as últimas quatro semanas de gestação, de acordo com um estudo.

2. Morte por excesso de cafeína é possível, mas rara.

Em casos raros, quando a cafeína é consumida em doses suficientemente elevadas (acima de 5 gramas em adultos, o equivalente a cerca de 30 a 50 xícaras de café), pode matar.

Em 2014, dois jovens – um de 18 anos de idade, em Ohio e um de 24 anos de idade na Geórgia – tiveram uma overdose de cafeína pura em pó, de acordo com a FDA. Suas mortes representam os perigos deste produto concentrado. Uma colher de chá de cafeína pura em pó contém aproximadamente a mesma quantidade de cafeína que 28 xícaras de café.

Como o pó é 100% cafeína, torna-se um poderoso estimulante que pode provocar uma overdose acidental e possivelmente fatal. Para complicar ainda mais, a quantidade segura de cafeína em pó pode ser quase impossível de se medir com precisão utilizando colheres de chá. Os sinais de toxicidade da cafeína podem incluir coração acelerado, sudorese, convulsões, vômitos, tremores musculares e colapso respiratório, disse Lane.

3. Abstinência de cafeína é real.

Na versão mais recente do manual de psicologia “Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais“, a abstinência da substância é listada como uma condição de saúde mental. O texto descreve os efeitos observados em algumas pessoas que pararam abruptamente ou fizeram reduções drásticas na sua dose diária de cafeína. Os efeitos secundários da abstinência, que podem iniciar de 12 a 24 horas após a interrupção ou redução, incluem dor de cabeça latejante, fadiga, irritabilidade, e dificuldade de concentração. Em algumas pessoas, estes sintomas são graves o suficiente para interferir no rendimento do trabalho ou em situações sociais. Cortar o consumo gradualmente ao longo de uma semana pode ajudar a evitar uma dor de cabeça.

4. A cafeína pode aumentar os efeitos do stress.

A pesquisa de Lane constatou que a substância pode amplificar o efeito do stress em pessoas que a consomem todos os dias. Em um pequeno estudo, ele descobriu que a cafeína aumenta a resposta do corpo ao stress, resultando em aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial. Uma resposta exagerada ao stress pode fazer a diferença para pessoas em condições como diabetes do tipo 2 e pressão arterial elevada.

O pesquisador encoraja que as pessoas nestas condições tentem eliminar o café e outras bebidas cafeinadas para verificar se reduzirá os níveis de pressão arterial ou açúcar no sangue; a pressão arterial mais baixa poderá se notar dentro de alguns dias sem cafeína, mas as reduções de glicose podem levar vários meses para serem percebidas.

5. Em plantas, a cafeína age como pesticida e herbicida natural.

A substância é encontrada nas folhas, sementes e frutos de plantas produtoras de cafeína, como arbustos de café, chás, guaraná e erva-mate. De acordo com um estudo publicado na revista Science no ano de 1984, ela funciona como pesticida natural ao ajudar a repelir insetos que podem atacar as plantas, além de poder ser útil no controle de pragas. [Live Science]

Comentários
Carregando...