Artigos científicos, notícias e muito mais.

Austrália tem surto de asma depois de forte tempestade: Entenda o fenômeno

Centenas de pessoas em Melbourne, na Austrália sofreram problemas respiratórios durante uma tempestade recente. Mas o que está por trás desse raro fenômeno?

Na tarde do dia 21 de novembro, o serviço de ambulâncias de Melbourne, chamado de Ambulance Victoria, recebeu mais de 1800 chamados durante a tempestade, o que é cerca de seis vezes o número normal de ligações recebidas, segundo a BBC. Cerca de 200 ligações eram de casos de asma, e 600 chamados eram de pessoas com problemas para respirar, disse Mick Stephenson, diretor executivo das operações de emergência da Ambulance Victoria, que conversou com a BBC. “Uma grande quantidade de pessoas que ligaram na última noite (21 de novembro) nunca haviam tido um caso de asma anteriormente”. Houveram duas mortes por asma durante a tempestade.

Eventos semelhantes foram relatados na Inglaterra, Canadá, Itália e nos Estados Unidos. Como exemplo, durante uma forte tempestade em 1994 em Londres, 640 pacientes com asma ou dificuldades para respirar foram parar no hospital – um número de 10x o normal de pacientes com esse tipo de enfermidade em dias comuns. Cerca de 280 desses pacientes nunca tinham sofrido por asma antes.

A maioria das pessoas que sofreram com essas enfermidades durante as tempestades possuem um tipo de rinite alérgica – onde os pacientes são alérgicos ao pólen e outras substâncias presentes no ar. Os especialistas acreditam que esses surtos acontecem porque, durante as tempestades, grãos de pólen rapidamente absorvem água e se rompem, liberando centenas de pequenas partículas no ar. Essa partículas podem penetrar os pulmões e provocar ataques de asma. Outros surtos de asma desse tipo também foram ligados com níveis maiores de fungos no ar.

Também acredita-se que os ventos presentes durante essas tempestades ajudam a espalhar partículas de pólen e outras substâncias capazes de causar alergias. Um estudo de 2008 que analisou as visitas à salas de emergência em Atlanta-EUA durante 10 anos descobriu que haviam 3% mais pacientes de asma nos dias seguintes a tempestades. A ligação entre o aumento nos pacientes de asma com as tempestades é maior quando os ventos são de intensidade intermediária ou alta.

Os especialistas suspeitam que o surto em Melbourne tenha sido causado por altos níveis de pólen de azevém, diz a BBC. No dia da tempestade, os níveis desse tipo de pólen no ar era maior que o dobro do nível normalmente considerado alto.

Originalmente por Rachael Rettner | LiveScience

Comentários
Carregando...