Artigos científicos, notícias e muito mais.

Geoengenharia poderia ajudar a combater as mudanças climáticas

Com o mundo enfrentando o derretimento de calotas de gelo, aumento do nível do mar, eventos climáticos intensos e outros desastres globais, os cientistas estão explorando formas de reengenharia do planeta para combater os efeitos do aquecimento global.

A superfície da Terra se aqueceu, em média, sobre terra e mar, 0,85 º C desde 1880, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, uma organização internacional criada pela ONU para avaliar a situação das mudanças climáticas.

Em uma edição da revista Science publicada em julho, dois pesquisadores forneceram perspectiva sobre dois métodos de geoengenharia que poderiam reduzir o efeito estufa. Ambos os esquemas podem contribuir para um clima mais frio, mas eles não são livres de riscos. E, como ambos os pesquisadores deixaram claro, nenhuma ideia aborda os níveis crescentes de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, que um dos principais culpados pelo aquecimento global e por níveis mais altos de acidez oceânica. Essa acidez está matando os recifes de corais que abrigam a vida marinha.

Ulrike Lohmann e Blaž Gasparini, pesquisadores do Instituto de Ciências Atmosféricas e Climáticas da ETH Zurich, na Suíça, propuseram um plano contra-intuitivo: espalhe pequenas partículas de poeira do deserto na atmosfera superior para reduzir as nuvens de cirros. Estas são as nuvens quase invisíveis que se formam em altitudes elevadas. Ao contrário das nuvens que refletem a luz solar, estas atrapalham a saída do calor que irradia da Terra para o espaço.

“Se as nuvens de cirros se comportam como um cobertor ao redor da Terra, você está tentando se livrar desse cobertor”, disse Lohmann, professor de física atmosférica experimental na ETH Zurich.

Semear poeira na atmosfera removeria estas nuvens, disse Lohman. Em circunstâncias normais, a atmosfera está cheia de pequenas partículas em altitudes entre 4.800 a 12.200 metros. Algumas são partículas sólidas como a poeira, e algumas são aerossóis líquidos. Os aerossóis líquidos congelam instantaneamente e criam cristais de gelo que formam nuvens de cirros duradouras.

A ideia, segundo Lohmann, é injetar partículas sólidas, como poeira desértica, na atmosfera em locais ligeiramente inferiores aos que as nuvens de cirros se formariam naturalmente. A quantidade de poeira introduzida seria muito menor do que o número de partículas que existem mais acima. Esta parte é fundamental, porque menos partículas atraem mais vapor de água, criando cristais maiores. À medida que os cristais de gelo crescem para maiores e mais pesados, eles cairiam como precipitação e, dependendo das condições, evaporariam antes de chegar ao chão.

“Você remove o vapor de água, a umidade e evita a formação normal de nuvens de cirros”, disse Lohmann.

Idealmente, o método seria aplicado a locais mais suscetíveis à formação de nuvens de cirros: as latitudes geográficas acima de 60 graus, incluindo o Ártico, onde a temperatura aumenta ainda mais que no restante do planeta.

Os modelos computacionais dos pesquisadores mostraram que, se feito corretamente, o processo poderia reduzir as temperaturas globais em 0,5 º C, disse Lohmann. Mas, se feito incorretamente, a atividade poderia produzir nuvens de cirros onde não existiam antes, contribuindo para o aumento do problema que deveria resolver, acrescentou.

O risco de fazer mais mal do que bem é uma preocupação, disse Ulrike Niemeier, cientista climático no Instituto Max Planck de Meteorologia em Hamburgo, na Alemanha, e sua colega Simone Tilmes, cientista do National Center for Atmospheric Research em Boulder, Colorado. Niemeier e Tilmes publicaram um comentário na revista Science e discutiram um método de geoengenharia chamado Modificação de Aerossol Estratosférico (SAM).

O SAM envolve a injeção de aerossóis de enxofre na estratosfera para aumentar a refletividade da atmosfera terrestre. Os modelos de computador mostraram que o SAM poderia reduzir a quantidade de luz solar que atinge a superfície do planeta. O efeito se assemelharia ao das nuvens de cinzas que se prolongam após as erupções vulcânicas, que demonstraram baixar as temperaturas globais.

Mas a ciência por trás do SAM está em estágios iniciais, e as tecnologias para implementá-lo não estão desenvolvidas, acrescentaram os pesquisadores.

Niemeier e Tilmes escreveram que diferentes modelos computacionais constantemente identificam os efeitos colaterais do SAM. Por exemplo, reduzir a radiação solar também reduz a evaporação, o que por sua vez reduz a precipitação, e isso pode retardar o ciclo hidrológico, particularmente nos trópicos. Menos precipitações podem aumentar as secas, que já são partes devastadoras do mundo.

Embora os modelos tendam a concordar que é melhor injetar os aerossóis na estratosfera acima dos trópicos ou em regiões subtropicais e que os aerossóis se dispersariam globalmente, os modelos diferem na extensão da injeção necessária para um determinado nível de resfriamento, escreveram os autores.

Mesmo que os cientistas descobrissem um método preciso, a economia é incompreensível. O uso de SAM para reduzir as temperaturas globais em1 º C (para níveis pré-industriais) exigiria quantidades de injeção equivalentes a uma erupção vulcânica por ano do tamanho da explosão do Monte Pinatubo, de 1991 nas Filipinas – a maior erupção vulcânica do último século. O custo de dispersar esse conteúdo artificialmente custaria 20 bilhões de dólares por ano.

“Qualquer método de geoengenharia que conhecemos só pode compensar parte do aquecimento global que temos”, disse Lohmann.

Se a sociedade decidir utilizar qualquer método de geoengenharia, essa ação deve ser acompanhada por grandes esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Niemeier disse que as reduções de emissões devem ser o principal foco. “Somos bastante críticos sobre geoengenharia, e queremos que as pessoas estejam conscientes de que seria difícil”.

Traduzido e adaptado de Live Science.

Comentários
Carregando...