Artigos científicos, notícias e muito mais.

Novo tratamento pode reparar qualquer tecido do corpo

Cientistas australianos descobriram como reprogramar um osso adulto ou células de gordura para fabricar células-tronco que poderiam regenerar qualquer tecido danificado no corpo. Os pesquisadores se inspiraram na forma como as salamandras são capazes de substituir membros perdidos, e desenvolveram uma técnica que dá as células adultas a capacidade de regenerar vários outros tipos de células – o que é conhecido como multipotency. Isso significa que as novas células-tronco podem hipoteticamente reparar qualquer lesão no corpo, a partir de medulas espinhais. E não é uma coisa muito simples, já que atualmente não existem células-tronco adultas que, naturalmente, regeneram múltiplos tipos de tecidos.

“Esta técnica é um avanço significativo em muitas das terapias com células estaminais não provadas de fato, que demonstram pouca ou nenhuma evidência objetiva que contribuam diretamente para a formação de novos tecidos”, disse o pesquisador John Pimanda, da Universidade de Nova Gales do Sul.

Agora, embora seja um campo emocionante, a terapia com células estaminais ainda tem uma série de limitações, principalmente porque as células mais úteis são as células-tronco embrionárias, que são retiradas de embriões em desenvolvimento e têm o potencial de se transformar em qualquer célula. Mas também têm a tendência para formar tumores e não pode ser transplantado diretamente para regenerar células adultas. Em vez disso, os pesquisadores são capazes de usar células adultas de tecidos específicos, que só podem se transformar em tipos determinados de células.

“As células estaminais embrionárias não pode ser usadas para tratar tecidos danificados por causa de sua capacidade de formar de tumores”, disse um dos pesquisadores, Vashe Chandrakanthan. “Outro problema ao gerar células-tronco é a exigência de utilização de vírus para transformar as células, que é clinicamente inaceitável”. “Acreditamos que temos que superar esses problemas com esta nova técnica.” , concluiu ele. [ScienceAlert]

Comentários
Carregando...