Artigos científicos, notícias e muito mais.

Efeitos cerebrais positivos nas rotas repetidas de navegação

Já se sabe por pesquisas anteriores que a região do hipocampo no cérebro de motoristas de táxi é ampliada. O hipocampo é a área utilizada na navegação, ou seja, na capacidade de conduzir dos indivíduos. A novidade sobre a questão é que o que faz esta região do cérebro crescer é a aprendizagem de informações detalhadas de navegação. A pesquisa foi conduzida pelos pesquisadores Timothy A. Keller e Marcel Adam Just, que publicaram os resultados encontrados na revista científica NeuroImage,.

No experimento que levou à descoberta, os pesquisadores submeteram jovens adultos a um simulador de condução. Sendo escolhidos entre pessoas que não foram jogadoras regulares de videogame, os indivíduos foram divididos em dois grupos: uns dirigiram o mesmo caminho vinte vezes, enquanto outros dirigiram vinte rotas diferentes. Antes e após a execução das rotas, os indivíduos tiveram seus cérebros scaneados para o mapeamento das mudanças.

Analisando-se as imagens cerebrais das situações pré e pós experimento, os pesquisadores descobriram que os indivíduos que dirigiram o mesmo caminho vinte vezes aumentaram a velocidade mais do que aqueles que conduziram por rotas diferentes – isto talvez explique por que temos a impressão de que alguns taxistas dirijam “perigosamente”. Além disso, os motoristas de rota única também eram muito mais capazes de colocar em ordem uma sequência de imagens aleatórias tiradas ao longo do caminho e de desenhar um mapa da rota.

Por fim, os investigadores também encontraram aumento na conectividade funcional do hipocampo com outras partes do cérebro envolvidas na navegação nos motoristas da rota única. E a quantidade de mudança estava diretamente relacionada com a quantidade de melhoria de cada um. Estes achados podem explicar por que motoristas mais antigos em determinada região possuem uma maior flexibilidade mental para a navegação, bem como a utilização de menos esforço mental na execução da tarefa.

Via: Scientific American

Comentários
Carregando...